Com pouca estrutura, rotina de radiologista se torna repetitiva e exaustiva

Com diferentes modalidades de exames que complementam e dão auxílio ao diagnóstico, a radiologia é uma das áreas que mais crescem na medicina. Tendência mundial, a padronização e a organização de informações feitas através dos laudos estruturados contribuem no diagnóstico e nas tomadas de decisões do médico solicitante.

As condições de trabalho normalmente oferecidas, porém, dificultam a já exaustiva rotina de trabalho do radiologista. Com exceção dos grandes centros médicos, que investem em caras licenças de softwares, com reconhecimento de voz, a maioria dos profissionais tem pouco ou praticamente nenhum recurso para laudar uma grande quantidade de exames diariamente. Para isso, recorrem na internet em busca de frases corretas ou criam pastas próprias.

O tempo gasto com digitação torna a rotina repetitiva e exaustiva, já que cerca de 90% da elaboração dos laudos poderia ser resolvida em poucos segundos. Com a proposta de auxiliar os radiologistas na elaboração de laudos estruturados, o LEO é um software com uma interface amigável e serviço de Speech recognition, que possui uma biblioteca padronizada com frases criadas a partir de estudos e artigos internacionais.

O radiologista escolhe o exame que deseja elaborar o laudo (radiografia, ultrassom, tomografia computadorizada e ressonância magnética) e seleciona as patologias e alterações mais comuns que descrevem a imagem, a partir de uma interface simples, amigável e dinâmica. A cada escolha, vão aparecendo frases interativas com múltiplas variáveis. Isso permite que todos os dados importantes sejam avaliados.  Ao final, um laudo é gerado sem erros de digitação, repetições de palavras e de forma padronizada.